Quantas visitas!!

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Estamos aqui!

Temos muitas novidades!
   Terça passada comecei a trabalhar e, desde a outra terça, a Anita fica com a babá (a vizinha da frente). Na primeira semana, ela chorou todos os dias, dava dó deixar ela lá, mas ela tinha que se acostumar, não tinha outro jeito. Quando foi na segunda (meu último dia sem trabalho) ela chorou a manhã inteira. Tive que fazer umas compras e quando voltei, ela estava chorando e continuou assim por uma hora seguida (pelo menos foi o que pareceu). Já pela tarde ela ficou mais calma e nem deu trabalho, mas eu já estava super preocupada porque já não dava mais tempo de encontrar outra babá. Mas, pra minha surpresa, na terça, meu primeiro dia no trabalho, ela não chorou nenhuma vez, foi um amor de bebê, nem pra tomar banho ela chorou, e nos outros dias ela já não chorava nem quando saía do meu colo (Glória a Deus!). Hoje eu já fico super tranquila em relação a deixá-la com a babá. Sei que ela está cuidando bem da minha princesinha, está sendo bem alimentada, se diverte bastante, porque tem outras crianças por perto (a babá tem uma filha de cinco, um de doze, cuida de mais uma criança de cinco e ainda vem uma vizinha de vez em quando brincar). Ou seja, é quase uma cheche, mas com mais cuidado pra minha neném!
   Mas o que eu quero mesmo contar são as evoluções dessa semana. Além do fim do chororô na hora de deixar ela com a babá, ela aprendeu a mandar beijinhos, dar tchau, bater palminha e, segundo a babá e o pai da Anita, ela deu uns passinhos! Uma pena eu não ter visto.
   Como aqui não tem pediatra (veja que absurdo!), não tenho feito aquela rotina médica com ela, mas sabemos que ela continua saudável, se desenvolvendo muito bem, está com as vacinas em dia e está mais sapeca do que nunca. Ontem, nas suas sapequices, bateu o queixinho e ficou corte com um feio (mas nada grave).
   Conseguimos minimamente arrumar a casa nesse fim de semana. Havíamos nos mudado no sábado passado, mas estava tudo uma bagunça, uma sujeira de dar ódio! A loja onde compramos nossos eletrodomésticos enrolou o que pode pra nos entregar os produtos. Depois de muitas ligações e reclamações, entregaram o fogão na segunda no fim da tarde (e tava quase completando um mês da compra). Na sexta, fiquei em casa pela manhã pra lavar roupa (trabalhamos só um período na sexta). Quando abro a máquina de lava: rachada bem no fundo! Mando trocar, só chegou no sábado. Beleza! Domingo pela manhã, fui eu de novo abrir a máquina de lavar: veio trocada! Tínhamos comprado outro modelo, com maior capacidade pouca coisa. Mais raiva! Hoje, liguei na loja pra trocar a máquina de novo, não tinha no estoque, mandariam buscar de outra cidade uma do mostruário (que poderia estar arranhada e coisa e tal), resolvemos ficar com essa mesmo. Resultado: Estresse e uma montanha de roupas pra lavar no próximo fim de semana!
   No mais, o trabalho é muito bom, um ambiente legal, todo mundo se dá bem. Tem dias que quase não trabalho, outros que nem paro (como hoje), mas está sendo uma maravilha trabalhar, ter uma função, sair de casa e ganhar dinheiro, é claro! Já estava entediada de ficar em casa de molho - leia-se correndo atrás da Anita pra lá e pra cá, dá banho, troca a fralda, dá mamar, brinca, rola, briga, beija, blablablá... Agora é tudo uma correria. Preparo a roupa do trabalho e a mala da Anita à noite, tempero o almoço pela manhã, cozinho quando chego, nem dá tempo de descaçar e já é hora de voltar. Mas agradeço muito a Deus por tudo isso, por essa nova fase da nossa vida! A vida no interior é muito mais tranquila, é o que queríamos. Agora só falta pagar as contas e comprar nosso carrinho :P

Um beijão e até mais!

domingo, 12 de agosto de 2012

Para o Papai...

Por aqui foi o nosso primeiro Dia dos Pais. Não teve café na cama nem almoço especial porque nos mudamos ontem pra cá, tava tudo uma bagunça. Mas teve presente! Que, aliás, deu muito trabalho pra fazer, mas valeu a pena. O papai se amarrou e a filha surpreendeu mostrando a novidade: Mandando beijos!

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Leite é amor #Blogagem Coletiva

Anita, eu e a amamentação!  

Na gravidez é imprevisível saber se vamos ter muito leite, pouco leite ou leite nenhum. No meu caso, ao sétimo mês de gestação já saia uma gotinha aqui outra ali, mas isso, segundo os boletins informativos que eu lia, não significava muita coisa.
   A princesa nasceu e quando me entregaram ela, a primeira coisa que fiz foi colocá-la no peito. Eu não sabia como fazer, ninguém me ajudou, mas ela mamou como se já tivesse mamado milhares de vezes. No quarto da maternidade a enfermeira veio auxiliar, mostrando a posição correta; realmente era bem melhor quando colocava o bracinho dela pra trás. Eu até tentei dar o peito deitada como vi outras duas meninas (sim, meninas! Bem mais novas que eu) fazendo, mas não consegui.
   A Anita nasceu numa segunda, saímos da maternidade na terça e na quarta foi um feriado que parecia domingo. Foi nesse dia que o leite desceu. E desceu muito. E desceu mais. Mas até esse dia chegar, cada vez que amamentava sentia dores terríveis, meu peito sangrava, mas a Anita estava lá, mamando e fazendo barulho (quem já viu ela mamar, deve lembrar). Ficava até com vergonha quando tinha uma visita ou quando tava na rua: "eita, que leite gostoso!"
  Ao longo do primeiro mês, fomos ao Banco de Leite local, como a maternidade nos tinha encaminhado. Lá recebemos orientações sobre a pega, incentivo ao aleitamento materno exclusivo até os seis meses e, como eu tinha muito leite, disseram pra eu voltar outro dia com meus exames pré-natais pra me cadastrar como doadora. Eu até queria, mas ir até lá de novo com a Anita tão novinha eu não queria. Era um pouquinho longe e a condução era a parte chata. Me arrependo até hoje de não ter doado, pois eu tinha muito, MUITO leite. Usei fraldas de pano dentro do sutiã até ela completar cinco meses.
   O aleitamento foi quase exclusivo. Aos três meses dei suquinho (com recomendação médica), aos quatro dei frutinha, aos cinco papinha, mas aos seis meses, a Anita não queria mais saber de outra coisa a não ser o peito. E eu dei. E ainda dou. Agora ela já come quase tudo, está com nove meses, mas ainda AMA o peito. Agora que vou começar a trabalhar, diminuímos as mamadas, mas quando chega a noite ainda é livre demanda.
   Não foi nada fácil amamentar. É muita paciência, muita disposição, mas acima de tudo é amor e carinho. O vínculo mãe-bebê é muito forte.
   Minha família não apoiou. Minha mãe de todas as maneiras tentava introduzir "coisas novas" pra minha filha, entre elas carne, frango e sucos (preparados normalmente para adultos, concentrado, com bastante açúcar), tudo isso aos três, quatro meses. Eu não aguentei essa intromissão e caí fora. Eu sei que ela queria ajudar, achando que o jeito que ela criou os filhos dela era o certo e que eu tava com frescura, mas ela me desrespeitou, fazia tudo isso pelas minhas costas e eu não pude admitir isso. Meu marido esteve o tempo todo ao meu lado e quando eu menos queria amamentar ele dizia: "se eu pudesse, trocava de lugar com vc".
   
Além de todo o incentivo que existe por parte dos profissionais da saúde, nós mamães blogueiras também incentivamos o aleitamento materno e, quando possível, a doação de leite. Leite é amor. AMAmentar é um ato de extremo amor e carinho. Fica aqui a nossa dica! Um beijão e até a próxima!


"Esse post faz parte da Blogagem Coletiva como objetivo de incentivar a doação de leite materno aos Bancos de Leite." Mais em: www.mildicasdemae.com.br

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Dez minutos eternos!

Quando faltam dez minutinhos pra buscar a princesa no primeiro dia com a babá, o tempo se arrasta!


... E ainda faltam cinco!

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Blogagem Coletiva: O Pai que ele é

Um dia eu disse a ele que estava "atrasada" e ele ficou aflito.
Um dia fomos ao laboratório e, com um positivo nas mãos, estávamos perdidos.
Um dia rolou uma lágrima dos olhos dele quando, pela primeira vez, viu e sentiu "o bebê" se mexer dentro de mim.
Um dia ele ficou emocionado quando descobriu que seria pai de uma menininha. E nesse mesmo dia choramos juntos por estarmos vivendo tudo aquilo, sendo tão jovens, sem grana, sem emprego, sem casamento... Apenas dois jovens namorados e uma bebezinha chegando.
Um dia ele esteve do meu lado desde a madrugada, me fez massagem tentando aliviar as dores do parto, me incentivou, me encorajou e finalmente viu, antes que todo mundo visse, a sua menininha chamada Anita, dar um Alô ao mundo.

Por muitos dias e noites ele me ajudou a dar banho, trocar fraldas, amamentar (me apoiando sempre), aninhou a pequena Anita em seu ombro para arrotar e em seus braços para dormir. Embalou, cantou, ninou e cuidou dela com todo o amor e carinho desse mundo. Tanto amor que eu cheguei a duvidar se era maior que o meu.

Hoje ele continua presente em nossas vidas, continua me ajudando a dar banho, trocar, alimentar, brincar e, em especial, faz a Anita dormir como ninguém. O colo do papai é mágico na hora de dormir.

Esse homem se chama José Vitor. Ele é o pai da Anita. É meu marido, namorado, companheiro e amigo. É o pai que a Anita sempre sonhou. É o namorado/marido que eu sempre quis ter. Foi ele quem fez planos para morarmos juntos, foi ele quem apostou nos concursos públicos ao invés de lojas de departamento, estudou, virou noites estudando, imaginando que eu estaria virando noites amamentando, ninando e colocando Anita pra dormir. Foi ele quem poupou o dinheiro que mal tinha pra almoçar na faculdade, economizou no que pode para comprar fraldas e o que precisássemos e, pra mais tarde, nos ter por perto. Foi ele que deu a cara pra bater e mostrou que, mesmo antes dos vinte, é um pai de família responsável, de bom caráter e coração. É um homem de Deus e mostrou também a mim o caminho para a vida eterna. Hoje é funcionário público graças primeiramente a Deus, que lhe deu capacidade e motivação pra estudar, e graças a sua disciplina e força de vontade pra vencer.
Hoje, mais do que nunca, ele merece respeito, não só o meu, mas de todos que o conhecem, principalmente aqueles que duvidaram da sua capacidade, aqueles que jogaram na cara, que o maldiziam e falaram que ele tinha acabado com nossas vidas, que seria um nada. Hoje ele é um bom homem, um maravilhoso pai e um ótimo esposo.

Quero que nesse dia dos pais ele se sinta mais feliz, que se sinta realizado com tudo que estamos vivendo. Que nós sejamos uma família unida e feliz hoje e sempre!

Eu te amo muito. Obrigada por ser quem você é e estar sempre comigo. Você merece tudo o que há de melhor
Feliz 1º dia dos Pais!

sábado, 4 de agosto de 2012

Pequenos Aniversariantes

   Hoje é um dia super especial, cheio de festas, bolo e tudo mais. É o primeiro aniversário da Thaysa, do Rafa (que tá sumido do blog há um tempão), da minha chará Bárbara (irmã do meu grande amigo, Arthur) e o terceiro aniversário do Rafa!
   Dois desses babies, a Thaysa e o Rafa¹, eu acompanho desd'a barriga. Foi uma delícia acompanhar as mamães naquela felicidade e aflição quando se aproximava a data tão esperada e continuar acompanhando o crescimento e desenvolvimento dessas crianças. Já a Bárbara, não tem blog, mas também é uma bebê especial. Quando sua mãe ficou grávida, meu amigo me deu a notícia no dia do meu aniversário e disse ainda que o nome dela seria lindo como o meu! Infelizmente a Bárbara perdeu sua mamãe há pouco tempo, mas continua crescendo saudável e feliz, alegrando a família. Imagino o quanto a mãe dela estaria feliz hoje! Por último, o Rafa², que eu comecei a acompanhar quando ele já tinha dois anos. Ele é uma figura e está bem próximo de conhecer seu irmãozinho, que nasce no final deste mês.
   Eu a Anita desejamos a esses bebês, já não tão bebês, um Feliz Aniversário, que Deus continue a abençoá-los mais e mais, que eles continuem crescendo e se desenvolvendo tão bem, que levem alegria por onde passarem. Que todos sejam uma benção especial em cada família e também para a sociedade. Que possam ser crianças felizes, bem decididas, que não sejam birrentas nem decepcionem nunca seus pais e familiares. É o que a nossa família deseja pra vcs (bebês e pais dos bebê). Feliz Aniversário!!!

sexta-feira, 3 de agosto de 2012

Aventuras de Anita... e Pedro!

Eu aqui blogando e a Anita mexendo no armário tirando todos o DVDs do lugar pela enésima vez.
De repente um silêncio... Cadê a Anita?
Na cozinha, mexendo na caixa de comida, comendo farelo de salgadinho!

Aquela hora em que o time da soneca está acabando...
Pedro, de cinco ano, é nosso vizinho e estamos hospedados na casa dele. Tá na fase do "por que?" Ele abre a porta do quarto de repente:
"Quê que a Nita tá fazeno?" - Anita e vira acordando...
"Ela estava dormindo, Pedro" - minha cara de "ta vendo o que vc fez?!"
"Ah, tá!" - e sai.
Mereço??

Anita e divertindo no andador, vai pra cozinha (a parte preferida da casa) e fica. Pedro passa em direção à cozinha e fica. Fico de butuca.
"Vai Nita! Anda!" - vou ver o que tá acontecendo e... Flagro o Pedro na lateral do andador, de carona. "Vai Nita!" e a pobre Anitinha tentando andar.
"PEDRO! Que cê tá fazendo?"
"Aaaaahm.... Eeeé..." - e sai correndo.
Mereço??

Passeando no quintal, Anita e eu, lá vem o Pedro com sua bike e fica nos acompanhando. Tenho a infeliz ideia de sair correndo com o carrinho e ele na cola.
"Vamo apostar corrida?!"
"Tá, Pedro!"
...
Umas dez corridas depois, duas quedas do Pedro:
"Chega. Parei, Pedro."
"De novo, mais essa!"
"Tá, Pedro!"
...
"Agora já, né Pedro?"
"É. Depois a gente continua!"
Mereço??


Bem que esse inquilino poderia desocupar "nossa" casa logo!
Pentelhices à parte, a família tem sido demais com a gente, nem sei como agradecer.

quarta-feira, 1 de agosto de 2012

Feliz Nove meses!


Eu sei fazer bolo... Completamente SOLADO! Mas quem vê cara não vê o recheio! Tava uma delícia! Tão gostoso que a Anita vez cara de quem tava chupando limão e cuspiu. Mas eu gosto de bolo solado... E meu marido também elogia!
Nove pedaços de Bis = Nove meses de Anita!

E a foto da Família


Nove meses: Registros

Mexe em tuuudo!

Mais linda do mundo!

Diário de um Grávido



Pra quem ainda não conhece #FicaDica!